Rondônia reforça controle contra a malária com instalação de pontos de testes rápidos em área de risco da doença

Publicada em


Termonebulização em Pimenteiras do Oeste

 

Uma equipe do Ministério da Saúde esteve em Rondônia acompanhando o trabalho de combate à malária e sinalizou positivamente a demanda apresentada pela Coordenação Estadual do Programa de Controle da Malária da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) quanto à necessidade de pontos de testes rápidos em áreas de risco da doença para tornar o enfrentamento mais efetivo.

‘‘Neste mês, nós estivemos nos laboratórios de diagnóstico dos municípios de Machadinho do Oeste, onde também visitamos a área onde se pretende construir uma hidrelétrica, Itapuã, além áreas de garimpo, Candeias do Jamari e Porto Velho. Também estivemos no Lacen [Laboratório Central de Saúde Pública]’’, disse o coordenador Estadual do Programa da Malária/Agevisa, Valdir França.

Ele destacou que desta visita às áreas de garimpo, em Itapuã do Oeste, surgiu o compromisso da equipe do Ministério da Saúde, com a proposta do Estado, em inserir pontos de testes rápidos em áreas de risco da doença.

Os municípios vão apenas supervisionar e colher os dados. O testes serão enviados pelo Ministério da Saúde e o Estado fará a distribuição e controle. ‘‘Esse é um compromisso do Ministério da Saúde’’, garante o coordenador. Os pontos de testes rápidos serão abastecidos inicialmente pelo estoque já existente no Estado.

A doença é endêmica na região amazônica e pode até matar quando não tratada da forma adequada. De janeiro até o último dia 22 foram registrados 3.961 casos positivos da doença. O que representa 25,5% a mais que no mesmo período do ano passado, quando houve 3.154. Os municípios que mais concentram os casos são Porto Velho, Candeias do Jamari, Guajará-Mirim; Ariquemes; Itapuã do Oeste e Machadinho do Oeste.

O controle contra a malária em Rondônia exige um trabalho constante da Agevisa alinhado ao governo federal, municípios e especialmente da sociedade civil que deve procurar quanto antes o diagnóstico da doença ao sentirem sintomas como febre alta; calafrios; tremores; sudorese e dor de cabeça. Além de fazerem uso de mosquiteiros e repelentes e evitarem estarem próximos a igarapés ao entardecer.

MEDIDAS DE CONTROLE

Cabe aos municípios a execução das ações efetivas contra a malária. Na Coordenação Estadual do Programa de Controle da Malária, os trabalhos se concentram na realização de capacitações e supervisão dos 52 municípios com treinamentos in loco do Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica (Sivep Malária), vetor malária, diagnóstico e tratamento; prestação de contas.

Além disso, a análise microscópica realizada no Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) é financiada pela Agevisa. O Estado também entra com ações complementares em municípios que não apresentam condições de efetuar combate contra a doença e enfrentam o desafio de chegar a lugares de difíceis acesso.

Em fevereiro, por exemplo, o Estado realizou a instalação de mosquiteiros impregnados com inseticida. Em abril, a borrifação em Candeias do Jamari. Enquanto que em maio, a população de Pimenteiras do Oeste recebeu ações como borrifação residual, diagnósticos e termonebulização.

O coordenador pede que o trabalho dos municípios no combate à malária seja constante e, disse ainda, que há a intenção de criar uma portaria conjunta com a Atenção Básica que permita aos agentes comunitários que estejam inseridos no programa de controle da malária.

Ele ainda disse que o Estado entregou, este ano, equipamentos para o combate à doença. Entre eles quatro embarcações para o município de Porto Velho, 23 microscópios para municípios prioritários conforme dados do Sivep Malária e mais 220 pulverizadores foram distribuídos para os 52 municípios.  Duas caminhonetes que estão em processo de aquisição devem ser distribuídas para Porto Velho e Candeias do Jamari ainda este ano.

 

Fonte
Texto: Vanessa Moura
Fotos: Arquivo/Agevisa
Secom – Governo de Rondônia