Momento Nossa História: Josué Montello em Jaru, RO

Publicada em


Frente da escola Josué Montello no início de 2020

 

Josué de Sousa Montello (São Luís, 21 de agosto de 1917Rio de Janeiro, 15 de março de 2006) foi um jornalista, professor, teatrólogo e escritor brasileiro. Entre suas obras destacam-se Os Tambores de São Luís, de 1965, a trilogia composta pelas novelas Duas vezes perdida, de 1966, e Glorinha, de 1977, e pelo romance Perto da meia-noite, de 1985. Trabalhou como diretor da Biblioteca Nacional e do Serviço Nacional de Teatro, escreveu para a revista Manchete e o Jornal do Brasil, além de trabalhar no governo do presidente Juscelino Kubitschek.

Obras de Josué Montello foram traduzidas para o inglês, francês, espanhol, alemão e sueco. Algumas de suas novelas foram roteirizadas para o cinema; em 1976, Uma tarde, Outra tarde recebeu o título de O amor aos 40; e, em 1978, O monstro, foi filmado como O monstro de Santa Teresa. Morreu em março de 2006, vítima de insuficiência cardíaca. Encontrava-se internado na Casa de Saúde São José, no Rio de Janeiro, há mais de um ano, para tratamento de problemas respiratórios. O corpo foi velado na Academia Brasileira de Letras e sepultado no fim da tarde no Cemitério São João Batista.

A obra construída por Montello é assombrosa, pois abrange uma significativa variedade de meios de expressão – do romance ao teatro, do artigo jornalístico ao ensaio histórico. Sua prosa é elegante e fluída, passando ao leitor aquela enganadora sensação de ter sido escrita de forma ligeira, fácil, sem esforço aparente. Sua sólida formação intelectual se faz sentir em todos os ensaios e artigos, sempre permeados por análises precisas, argutas e diretas, ao passo que nos romances e peças teatrais a fina sensibilidade do artista impõe uma intensa abordagem psicológica das tramas e dos personagens.

Em 1954, foi eleito para a cadeira 29 da Academia Brasileira de Letras, sucedendo a Cláudio de Sousa. Até a sua morte, era o integrante mais antigo da Academia.

Josué Montello foi um grande escritor brasileiro

 

A Escola Josué Montello

A Escola Estadual Josué Montello iniciou as suas atividades em 23 de setembro de 1983 e foi criada através do Decreto n.º 1231 de 14 de abril de 1981. Ela está situada à Linha 630 Km 25, na parte que seria o perímetro urbano do distrito de Santa Cruz da Serra, embora o local ainda não tenha passado pelo processo de urbanização. A primeira diretora da instituição foi a professora Helena Manfio. Para administrar a escola, a gestora contou com o apoio do secretário escolar, José Nilton Batista e dos demais servidores púlblicos.

Desde a sua inauguração a escola funcionou em um prédio construído em alvenaria. Ao longo dos anos algumas reformas foram feitas, garantindo assim uma significativa melhoria em suas instalações. Além de atender os alunos matriculados na rede estadual, pois se trata de um público específico da escola, há uma parceria com a Secretaria Municipal de Educação, Cultura, Esporte e Lazer (Semecel), possibilitando que estudantes do ensino infantil (pré-escola) e 1º ao 5º ano do ensino fundamental do próprio distrito e das linhas abrangidas pelo atendimento do estabelecimento de ensino possam utilizar as instalações para o processo ensino-aprendizagem.

Em 09 de dezembro de 2016 ocorreu um dos momentos mais esperados pela comunidade escolar da instituição. Nesse dia, o Governo do Estado esteve no distrito e inaugou a quadra poliesportiva do estabelecimento de ensino, uma obra aguardada há muitos anos.

O contato com o autor para conhecer as suas produções literárias pode ser feito de duas formas. Pelo WhatsApp através do link https://umzap.com/ELIASGONCALVES, pelo telefone (69) 9 9241-8033 ou através do Facebook, por meio do seguinte endereço eletrônico: https://www.facebook.com/eliasgpjaru .

O escritor Elias Gonçalves durante sessão de autográfos em cerimônia realizada na ACIJ

 

Nota da Redação: As informações referentes à escola Josué Montello fazem parte do conteúdo historiográfico contido no livro “Vivendo Nossa História”, cuja propriedade intelectual pertence ao escritor jaruense Elias Gonçalves Pereira e estão sendo publicadas em sites de Jaru no formato de reportagem de forma atualizada no ano de 2020 com a expressa autorização do autor. Todos os Direitos Reservados. Copyright © Elias Gonçalves Pereira.

As publicações da Série Momento Nossa História estão sendo feitas na seguinte ordem:

  1. Abrão Rocha: 02/03 (segunda-feira)
  2. Aldemir Cantanhêde: 03/03 (terça-feira)
  3. Apae: 04/03 (quarta-feira)
  4. Beatriz Mireya: 05/03 (quinta-feira)
  5. Capitão Silvio: 06/03 (sexta-feira)
  6. Ceeja: 09/03 (segunda-feira)
  7. Centro Educacional de Bom Jesus: 10/03 (terça-feira)
  8. Dayse Mara: 11/03 (quarta-feira)
  9. Elza Maria Fabris: 12/03 (quinta-feira)
  10. Escola D’Jaru-Uaru: 13/03 (sexta-feira)
  11. Gabriel Balmant: 16/03 (segunda-feira)
  12. Governador Jorge Teixeira: 17/03 (terça-feira)
  13. Jean Carlos Muniz: 18/03 (quarta-feira)
  14. José de Souza: 19/03 (quinta-feira)
  15. Josué Montello: 20/03 (sexta-feira)
  16. Juscelino Kubitscheck: 23/03 (segunda-feira)
  17. Marechal Cordeiro de Farias: 24/03 (terça-feira)
  18. Marechal Costa e Silva: 25/03 (quarta-feira)
  19. Maria da Conceição: 26/03 (quinta-feira)
  20. Maria de Lourdes da Silva: 27/03 (sexta-feira)
  21. Maria do Socorro: 30/03 (segunda-feira)
  22. Maria Gomes: 31/03 (terça-feira)
  23. Menézio de Victo: 01/04 (quarta-feira)
  24. Nilton Araújo: 02/04 (quinta-feira)
  25. Olga Dellaia: 03/04 (sexta-feira)
  26. Pato Donald: 06/04 (segunda-feira)
  27. Pedro Vieira de Melo: 07/04 (terça-feira)
  28. Plácido de Castro: 08/04 (quarta-feira)
  29. Raimundo Cantanhêde: 09/04 (quinta-feira)
  30. Tânia Barreto: 10/04 (sexta-feira)
  31. Zenir Carvalho: 13/04 (segunda-feira)

 

Por:Elias Gonçalves

Até o momento o escritor Elias Gonçalves lançou três obras literárias