Hamilton Alves cobra Polícia Civil sobre tentativa de homicídio que sofreu há quase dois anos, em Jaru, RO

Publicada em


Radialista desabafou no ar. “Eu quase morri. Foram sete, sete tiros. Minha família vive com medo e nós continuamos sem respostas”.

FOTO:Hamilton Alves e Rangner Andrade

 

Nesta semana o radialista Hamilton Alves, que apresenta o programa Abrindo o Jogo na emissora Nova Jaru FM 94,1 Mhz, cobrou da Polícia Civil de Rondônia, respostas para a ‘tentativa de homicídio’ que ele sofreu, ao ser alvejado, segundo ele mesmo enfatiza durante a sua fala, sete vezes, no dia 20 de abril de 2018, na conhecida curva da morte, durante uma emboscada.

Hamilton Alves foi salvo por um policial de folga, que viu a ação dos assassinos que estavam numa motocicleta. Corajoso, o policial de folga agiu heroicamente e salvou a vida do comunicador, que ainda foi alvejado seis vezes.

Um tanto exaltado por causa da falta de solução para os crimes, Hamilton citou o nome de um dos três delegados da Polícia Judiciária do município de Jaru. De acordo com o comunicador, não há informações plausíveis e nem mesmo quando ele vai pessoalmente até os delegados buscar informação, se sente bem recebido. “Até pra conversar fica complicado. Eles não dão resposta nenhuma”, disse.

Hamilton criticou a fala do delegado Salomão de Matos Chaves num grupo de aplicativo de mensagem, que teria dito que: “até conseguirmos uma equipe para aprofundar as investigações, vários outros crimes vieram a tona e foram esclarecidos, contudo este atentado não tivemos elementos para apontar mandantes e executores”, disse Hamilton.

Hamilton segue cobrando quem são os delegados a frente da investigação.
Rangner Andrade que é auxiliar do Jornalista, diz que é preciso cobrar para não cair no esquecimento.

Com declarações fortes de que a Polícia Civil não tem feito nada para resolver, Hamilton enfatiza vários outros crimes que foram solucionados neste período após o atentado que sofreu e dá a entender que há falta de compromisso por parte dos policiais que estão investigando.

“Tem alguém influente aqui da região por trás disto. Foram sete tiros contra minha vida e até agora ninguém resolve nada. Minha família vive com medo. A gente vai conversar com os delegados e eles não falam nada, não dão resposta nenhuma, quase dois anos”, disse.

O Jornal Eletrônico PortalP1 tentou contato com o delegado Dr. Salomão, porém, até o fechamento desta matéria não conseguiu falar.

Jornal Eletrônico Portal P1