Delegado é condenado a 14 anos de prisão por matar colega de trabalho na Corregedoria em Porto Velho

Publicada em


Crime aconteceu em outubro de 2016, em Porto Velho. Motivação do crime foi considerada torpe.

Júri ocorreu na Comarca de Porto Velho. — Foto: Larissa Vieira/Rede Amazônica

Após 12 horas de julgamento, o delegado Loubivar de Castro Araújo foi condenado pelo pelo 1º Tribunal do Júri da Comarca de Porto Velho a 14 anos de reclusão por matar o colega de trabalho dentro da Corregedoria da Polícia Civil em 3 de outubro de 2016. A sentença começou a ser lida pela juíza Juliana Brandão por volta das 00h desta quinta-feira (20).

Durante o julgamento os advogados do réu alegaram legítima defesa, porém o conselho de sentença reconheceu, por maioria de votos, que o acusado disparou os tiros contra a vítima por motivo torpe.

A sentença foi anunciada depois das 00h desta quinta-feira (20). Quatro mulheres e três homens formaram o corpo do júri, escolhido antes do início oficial do julgamento.

Durante o dia, 10 testemunhas foram ouvidas, sendo cinco de acusação e outras cinco de defesa. Segundo o Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO), uma das testemunhas de acusação prevista não compareceu.

Uma das testemunhas afirmou que o delegado “desenvolveu um desentendimento com a vítima”, após realizar mudanças no ambiente de trabalho durante na ausência de José Pereira.

Entre as falas do réu, o TJ-RO informou ao G1 que Loubivar de Castro rebateu o laudo e contestou a perícia técnica, dizendo à juíza Juliana Brandão, durante rebate das acusações, que as informações são “parcialmente verdadeiras”.

Durante o testemunho dele, alegou ainda que mexeram na cena do crime. Após todos serem ouvidos, incluindo o réu, começaram os debates entre defesa e acusação.

Assassinato na Corregedoria

O homicídio aconteceu dentro da Corregedoria da Polícia Civil em 3 de outubro de 2016. Segundo a sentença de pronúncia, Loubivar alegou que foi impedido pela vítima de realizar mudanças administrativas, como delegado adjunto, no 4° Distrito Policial (4° DP) em 2015.

O delegado foi preso em flagrante e encaminhado, à Delegacia de Homicídios. Nessa época, José Pereira era o delegado titular do 4° DP, o qual disse que o denunciado deveria obedecer ao ordenamento hierárquico da instituição. A posição do titular nutriu insatisfação no réu.

Delegado que atirou no colega de profissão foi preso em flagrante e levado à Delegacia de Homicídios. — Foto: Hosana Moraes/ Rede Amazônica

No dia 3 de outubro de 2016, o acusado foi resolver uma situação de atestado médico no prédio da Corregedoria da Polícia Civil, quando se deparou com José Pereira e acabou disparando dois tiros contra ele com uma pistola calibre ponto 40, causando a morte da vítima.

No dia do caso, uma funcionária que trabalhava no local e que preferiu não se identificar disse ao G1 que tudo aconteceu muito rápido.

“O suspeito subiu e de repente ouvimos os disparos. Nós ainda tentamos socorrer o delegado, mas ele acabou morrendo”, contou.

De acordo com o judiciário, embora o denunciado alegue que o fato ocorreu em legítima defesa, os indícios apontam que o réu cometeu um crime premeditado.

Como foi o julgamento?

  • Começou às 8h30, com sorteio do corpo do júri.
  • Júri foi formado por quatro mulheres e três homens.
  • 5 testemunhas de defesa e 5 de acusação foram ouvidas durante a sessão.
  • Uma testemunha alegou que o réu “desenvolveu um desentendimento com a vítima”
  • Interrogatório de Loubivar de Castro Araújo começou às 15h.
  • Questionado pela juíza Juliana Brandão sobre as acusações, o réu disse que as informações são “parcialmente verdadeiras”.
  • Após o réu ser ouvido, começou fase de debates entre acusação e defesa.
  • Delegado Loubivar de Castro Araújo foi condenado a 14 anos de reclusão.

 

Do G1/RO